HOME DO BLOG

Pílula de uso contínuo não é qualquer uma: precisa ser testada e aprovada

A pílula anticoncepcional de uso contínuo deve ser do tipo combinada, monofásica e de baixa dose, ou seja, pílulas que apresentam baixa dose dos hormônios estrogênio e progestagênio em concentração constante durante todo o ciclo.

Trata-se da mesma formulação da maioria das pílulas de uso convencional, diferindo apenas no tipo de regime de administração. Entretanto, aconselha-se que sejam utilizadas no regime contínuo as pílulas que foram testadas e aprovadas para uso específico neste regime contraceptivo.

Efeitos colaterais são diferentes? – Não. Os efeitos colaterais associados ao regime de contracepção contínua são similares aos observados nas usuárias de pílulas com pausa. O sangramento irregular é o efeito colateral mais comum. Em alguns casos, a menstruação não chega a ser totalmente suspensa e as mulheres podem apresentar sangramento irregular do tipo spotting (mancha menstrual) ou sangramento de escape. Este efeito é observado, principalmente, nos primeiros meses de uso do regime contínuo e tende a melhorar com a continuidade do tratamento.

Na dúvida, procure sempre seu ginecologista e tire todas as suas dúvidas! 

Quinoa: quatro benefícios para a saúde e a boa forma

Alimentos funcionais possuem múltiplos benefícios para a saúde e a boa forma. A quinoa está na lista daqueles que devem fazer parte da sua rotina desde já. E ela é menos calórica do que parece.

A quinoa possui cerca de 330 calorias em 110 g, quantidade similar ao arroz. Se você substituir o grão pelo outro, em algumas refeições, poderá aproveitar o que este alimento tem de melhor. Confira motivos para incluir o alimento na sua rotina. 

post3

Andar de bicicleta emagrece, controla a ansiedade e traz outros 5 benefícios

Andar de bicicleta, além de trazer uma sensação indescritível de liberdade, traz benefícios para o corpo. São sete privilégios os à saúde. Eles vão da proteção cardíaca à prevenção da ansiedade. O Viva Sem Menstruar lista no infográfico abaixo:

post_bicicleta

Métodos anticoncepcionais: descubra e escolha o melhor para você!

Há vários métodos contraceptivos e, a partir de agora, vamos desvendar os segredinhos de cada um deles. O objetivo é que você possa escolher o melhor, estimulando que você tire suas dúvidas com o ginecologista.

Você conhece a história da pílula anticoncepcional?

Desde os anos 60, quando foi inventada, ela tem sido companheira das mulheres. O contraceptivo oral contém hormônios que impedem a ovulação, essencial para que aconteça a gravidez.

Quando criado, o medicamento era cercado de polêmicas e mitos, alguns que ainda persistem.  Ainda bem que muita coisa mudou de lá para cá. Se antes as mulheres reclamavam que a pílula podia engordar, hoje as disponíveis no mercado têm dosagens diferentes de hormônios que se ajustam organismo de cada mulher.

Fonte: com informações do Hospital 9 de Julho

 “Disse me disse” sobre a pílula anticoncepciona

O uso do contraceptivo contínuo afeta a fertilidade?

Essa talvez seja a dúvida mais recorrente que aparece entre as leitoras do blog Viva Sem Menstruar. O contraceptivo usado de modo contínuo não tem qualquer relação com a infertilidade. Agora, vamos saber os detalhes?

Há estudos que compararam o retorno à fertilidade em mulheres que utilizaram pílulas em regime contínuo e regime com pausa. Eles demonstraram que a taxa de gravidez após a suspensão do tratamento é semelhante nos dois regimes.

Além da fertilidade não ser afetada, a sua menstruação também voltará ao normal, fique sossegada! De acordo com os especialistas, o retorno às menstruações é rapidamente restabelecido após a suspensão do tratamento contraceptivo em regime contínuo. Não existem evidências de que o restabelecimento da função ovariana e, portanto, da menstruação seja prejudicado com o uso contínuo da pílula.

Ainda tem dúvidas? Sim, todas nós temos, afinal de contas, parar de menstruar é uma mudança de paradigma. Estamos todas acostumadas a achar que menstruar é normal e qualquer coisa que signifique o fim dos sangramentos mensais e dos sintomas da TPM (tensão pré-menstrual) que os acompanham sejam “antinaturais”. Pura bobagem baseada em senso comum. Mas tomar pílula de modo contínuo pode trazer efeitos colaterais?

Os estudos indicam que os efeitos colaterais relacionados ao regime de contracepção contínua são similares aos observados nas usuárias de pílulas com pausa. O sangramento irregular é o efeito colateral mais comum. Este efeito é observado, principalmente, nos primeiros meses de uso do regime contínuo e tende a melhorar com a continuidade do tratamento.

Lembre-se: sangramento nunca mais! No regime de contracepção contínua não ocorre o sangramento mensal, uma vez que não há interrupção periódica do contraceptivo conforme ocorre com o uso de pílulas no regime tradicional com pausa. Entretanto, como em qualquer regime hormonal, pode ocorrer a presença de sangramento irregular. Bem, agora que mais dúvidas estão sanadas, procure seu ginecologista e pergunte a ele se a contracepção contínua pode ser para você!

Suspender a menstruação não traz problemas à saúde. Tire suas dúvidas e consulte um ginecologista!


A menstruação significa para algumas mulheres o ápice da sua feminilidade e fertilidade. Para outras, ela representa somente incômodos como dores, inchaços, cólicas e a temida tensão pré-menstrual (TPM). Porém, atualmente, as mulheres do segundo grupo têm ao seu alcance a escolha de cessar a menstruação e por consequência, diminuir e até eliminar os sintomas que ela traz. Em alguns casos, a suspensão da menstruação é tratar algumas doenças como mioma, endometriose (inflamação da camada que reveste o útero) e anemia. O primeiro passo de quem deseja parar de menstruar é procurar um profissional para auxiliá-la.

Métodos - Existem quatro métodos mais utilizados na interrupção da menstruação. O mais comum é o uso contínuo da pílula anticoncepcional por via oral. Neste caso a paciente toma o medicamento, que pode ser uma combinação dos hormônios estrógeno e progesterona, sem interrupções.

O outro método é a administração da injeção de progestogênio trimestral.

O DIU com progesterona é um dispositivo em forma de T que é colocado pelo médico no útero da mulher e que pode durar cinco anos. E por fim, há o implante subcutâneo, um pequeno bastão é inserido, geralmente no braço da mulher, e libera diariamente o hormônio para inibir a menstruação e pode ser usado por até três anos.

Vantagens - As vantagens em interromper os ciclos menstruais mensais é que os anticoncepcionais hormonais reduzem o risco de surgimento de endometriose, miomas uterinos, câncer no endométrio. Além disso, combatem cólicas menstruais e auxiliam no combate à anemia e à tensão pré-menstrual.

Para as mulheres que querem inibir a menstruação, mas têm medo da infertilidade, é preciso desmistificar o tema. Os métodos hormonais não causam infertilidade permanente. Alguns meses após a interrupção do tratamento as mulheres estão aptas para a fecundação, mas é imprescindível visitar o ginecologista regularmente para verificar alterações indesejadas e controlar as taxas hormonais.

Sangue não é liberado porque não é produzido - Outra preocupação constante é sobre onde vai parar o sangue que não é liberado pelo corpo da mulher. Quase todos os métodos inibem a ovulação. Com isso, o endométrio (camada que reveste o útero que se prepara para a chegada do óvulo) não se forma e logo não há o que sangrar ou eliminar do corpo.

A decisão é da mulher, amparada pelo ginecologista - Se a mulher tem muitos sintomas por causa da menstruação como dor nas costas, compulsão por doces e retenção de líquidos e os sintomas duram semanas, com o fim do ciclo, é possível ficar mais disposta e não ter mais problemas com os treinos de corrida, por exemplo.

A mulher deve ter acesso às informações para poder decidir, junto com um médico, se pode aumentar sua qualidade de vida cessando sua menstruação com um tratamento adequado e supervisionado.

Pilates ajuda a combater a dor na coluna

Foto: Reprodução

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todas as pessoas enfrentarão dor nas costas ao menos uma vez na vida. A má postura no dia a dia e o excesso de tempo gasto na frente do computador, além do uso de bolsas pesadas e calçados inapropriados, podem causar danos ao corpo, principalmente para sua base estrutural: a coluna. Para a dor, há analgésicos e anti-inflamatórios, mas o abuso desses medicamentos podem trazer prejuízos à saúde, além de atuarem apenas nos sintomas da dor e não nas suas causas.

O Viva Sem Menstruar traz, neste post, uma dica de atividade física que é uma das formas de combater este incômodo, agindo em suas causas e trabalhando também os sintomas sem remédios. Estamos falando do Pilates, que vem ganhando cada vez mais adeptos nas grandes e pequenas cidades. Longe de ser um modismo, a atividade possui técnicas apropriadas que auxiliam no alívio das dores, por meio de um eficaz fortalecimento de musculaturas profundas e certeiras na reeducação postural, como os multífidos, que atuam como estabilizadores da coluna. Ou seja, são esses músculos que – quando saudáveis – mantêm a coluna posicionada no seu lugar, sem desvios.

Os músculos paravertebrais também são trabalhados no Pilates, auxiliando na manutenção da coluna ereta. Já o músculo quadrado lombar auxilia na extensão de tronco (quando inclinamos o tronco para trás) e também na rotação de tronco (movimento feito quando estamos no banco da frente do carro e pegamos a bolsa no banco de trás). Por último, o Pilates trabalha o trapézio, músculo responsável pelos movimentos de ombro, cabeça e diafragma – músculo da respiração.

O Pilates pode ser praticado por qualquer pessoa de qualquer faixa etária. Mas antes de iniciar os exercícios, principalmente para quem já apresenta dor na coluna, é fundamental uma avaliação física de um profissional qualificado.

Realize exercícios físicos com foco e concentração – Geralmente os exercícios de Pilates para dor de coluna devem ser repetidos cerca de quatro vezes cada um, mas você é quem determina a quantidade de repetição. Procure observar seu corpo e respeitar seus limites. Vá aumentando as séries conforme ganhar mais resistência e habilidade.

Para a realização dos exercícios, procure usar roupas confortáveis e realizar as atividades em cima de uma toalha, tapete ou colchonete. Se for possível, tire uns 20 ou 30 minutos somente para isso, sem a presença de televisão, telefone e nem nada que desconcentre. Para que produza efeito, o Pilates deve ser realizado com foco e concentração, pois somente assim é possível ganhar a consciência de cada músculo que está sendo trabalhado no corpo. Consciência esta que facilita na hora do fortalecimento, trazendo resultados mais rápidos.

Ao incorporar o hábito de realizar estes exercícios no seu dia-a-dia, perceberá que este cuidado não fará somente bem para seu corpo, mas também para sua mente, que ficará mais serena, mais tranquila!

Mitos e verdades sobre a alimentação. Beber água morna em jejum ajuda a emagrecer?


Sabe aquelas histórias que a avó da gente conta sobre alimentação? Tomar líquido com as refeições engorda… Mastigar devagar ajuda a emagrecer… Pular o jantar ou não comer depois das 18h horas é bom para a saúde… Serão mito ou verdade? Se você tem uma alimentação equilibrada, rica em legumes, verduras e frutas, com a medida certa de carboidratos, proteínas e fibras, nem deve se preocupar muito. Certamente, está comendo bem e seu organismo também responde bem. Mesmo assim, é bom esclarecer alguns pontos para não ser enganada com os famosos ditados populares, lendas que viram verdade. A ideia é não fazer nada de errado que acabe prejudicando a saúde.

Pensando nisso, o Viva Sem Menstruar selecionou 11 dúvidas que vamos discutir se são mito ou verdade. Confira!

1. Ingerir líquidos durante as refeições aumenta a barriga

Verdade. Beber água, sucos ou refrigerantes durante as refeições prejudica a digestão e pode aumentar o volume do estômago. Se você não consegue comer sem ingerir algum líquido, opte por 100 ml de água. Dessa forma, o impacto negativo será minimizado. O que acontece é a chamada distensão abdominal, que aumenta o volume do estômago e estimulando a vontade de comer. Evite!

2. Assistir TV durante as refeições engorda

Verdade. Quando uma pessoa assiste TV durante as refeições, tende a comer mais rápido, sem prestar atenção no que ingere. A mastigação também é mais rápida e o estômago demora a perceber que não precisa de mais alimento. Como consequência, é preciso ingerir mais comida para se sentir saciado. Então, faça a mesa e, religiosamente, saboreie cada alimento, prestando atenção no aroma e no paladar. Nada mais saudável!

3. Pular o jantar é uma forma saudável de emagrecer

Mito. Para manter o metabolismo acelerado, queimando mais calorias, é muito importante fazer pequenas refeições, de três em três horas. Dessa forma, o organismo percebe que está recebendo novos alimentos, o que estimula o gasto calórico. Dê preferência a alimentos menos calóricos e não exagere na quantidade, mas jamais pule o jantar ou fique de estômago vazio por muitas horas.

4. Mastigar devagar ajuda a emagrecer

Verdade. Mastigar devagar transforma a digestão em um processo mais rápido e saudável. A trituração bem feita dos alimentos facilita a digestão e aumenta a sensação de saciedade com menos quantidade de comida.

5. Comer carboidratos após as 18h engorda

Verdade. Após as 18hs, a taxa metabólica basal (TMB) diminui, o que significa que gastamos menos calorias. Portanto, é preciso evitar o consumo de alimentos calóricos e reduzir a quantidade ingerida por refeição. Após esse horário, evite carboidratos refinados, como os pães brancos, preferindo quinoa, arroz e pães integrais.

6. Beber água morna em jejum ajuda a emagrecer

Mito. Não há nenhuma comprovação cientifica que recomende beber água morna em jejum como forma de perder peso.

7. Margarina é mais saudável do que manteiga

Verdade. A margarina contém menos da metade da gordura saturada presente na manteiga. Para produzir a manteiga, a nata do leite é batida até que se forme uma emulsão, composta por 80% gordura e 20% de água e resíduo de lactose. A margarina é obtida através da hidrogenação do óleo vegetal, que produz um composto livre de colesterol, menos calórico do que a manteiga.

8. Pessoas alérgicas não devem beber leite

Verdade. O leite aumenta a produção de muco. Para os alérgicos, pequenas quantidades de leite já podem causar uma crise. Em alguns casos, é preciso cortá-lo totalmente da alimentação, mas só um nutricionista poderá orientar sobre essa necessidade.

9. Comer e, em seguida, mergulhar na praia ou piscina pode causar congestão

Parcialmente verdade.  Durante o processo de digestão, a circulação sanguínea está concentrada na região do aparelho digestivo, com o objetivo de absorver os nutrientes dos alimentos da refeição. Se uma pessoa mergulhar na água da praia ou piscina logo após se alimentar, esse sangue necessário para a digestão será deslocado para o tecido epitelial, com o objetivo de manter o corpo aquecido, prejudicando o processo digestivo.

10.  Feijão e repolho provocam gases

Verdade. Apesar de ser um alimento rico em nutrientes, o feijão possui substâncias, como o tanino, que podem provocar a formação de gases. Para minimizar o problema, deixe os grãos de molho na água de um dia para o outro. Não cozinhe o feijão nessa água, já que os causadores do problema estão exatamente ali. Troque a água e, então, leve o feijão ao fogo. O repolho também pode estimular a formação de gases em algumas pessoas, mas não há um processo que evite o problema.

11. Um prato colorido é um prato nutritivo?

A mais pura verdade! Além de proporcionar prazer aos olhos, um prato colorido nos fornece fitoquímicos, vitaminas e minerais. Além de emagrecer, a dieta permite reduzir a incidência de doenças cardiovasculares, câncer e diabetes, entre outras. O ideal é consumir cinco porções de frutas, legumes e verduras por dia, mesclando cores dos diferentes grupos. As proteínas também devem marcar presença no prato. É preciso ingerir carnes, ovos, leite e leguminosas como a soja, além de beber dois litros de água. Mas, não se esqueça, não adianta contabilizar alimentos industrializados como bolachas e chocolates, pois são extremamente calóricos.

Mentir no ginecologista é nada mais, nada menos, que autossabotagem

No post anterior falamos sobre a falta de libido e a importância de procurar ajuda de um profissional que pode ser o ginecologista ou um terapeuta. Vamos aproveitar o ensejo para falar de algo que é muito comum entre as mulheres: aquela mentirinha de leve para o médico. Quando li sobre o assunto resolvi conversar com a minha ginecologista para saber se isso é comum.

A resposta foi enfática: “Sim, as mulheres mentem na consulta. Mas isso depende muito da intimidade com o médico. Eu, por exemplo, se percebo que a minha paciente está abordando o assunto pela tangente, procuro falar de assuntos corriqueiros para que ela vá ficando mais a vontade. Quando percebo que é o momento certo, vou direto ao ponto… Para que isso aconteça, a consulta costuma não ser rápida. Mas a minha função como médica é justamente essa”, afirmou.

Mas o que leva as mulheres a mentir no ginecologista? Pura vergonha ou medo de ouvir broncas… Pensando que uma mentirinha pode ser muito grave para a saúde, não só sua, como de seu parceiro, eu penso que mentir no consultório é uma tremenda autossabotagem.

Uma das mentiras mais comuns é dizer ao médico que você fez todos os exames de rotina no ano passado quando você sabe que não vai ao médico faz pelo menos dois anos. Você pode até dizer que não teve tempo, mas saiba que é muito melhor sair duas horas mais cedo do trabalho a cada seis meses do que contrair uma doença.

Os exames de rotina são capazes de detectar doenças no início e, assim, te dá mais armas para lutar contra elas. Se você resolve ir ao médico somente quando sentir algo errado pode ser tarde demais. Pense que um HPV (papiloma vírus humano) pode tornar-se um câncer de colo de útero, por exemplo.

Outra mentira “daquelas” é dizer que sempre usou camisinha ou que nunca tomou a pílula do dia seguinte. Esta última pode até ser a salvação para quem transou sem camisinha, mas deve ser usada com cautela. E, pior, revela que você não se protegeu contra as famosas DSTs, incluindo entre elas a AIDS.

É importante contar tudo ao seu médico, pois sua menstruação pode atrasar e, se você estiver desregulada, ele precisa encontrar o motivo. Converse com ele para saber qual o melhor método contraceptivo, que melhor se adéqua a seu estilo de vida.

Outra “história pra boi dormir” é omitir do médico que você tem um corrimento de vez em quando. O corrimento é um aviso importante de que algum problema está ocorrendo e, dessa forma, precisa ser tratado. Pode ser algo simples, uma alergia, ou uma bactéria, mas pode ser também um mioma (espécie de tumor), uma inflamação, ou uma endometriose (inflamação do endométrio local do útero responsável por abrigar o feto durante a gravidez).

Será que eu te convenci? Espero que sim… O médico não está lá para te dar bronca, mas para te ajudar no tratamento. Mas se você não se ajuda, ele também não conseguirá ajudá-la. Pense nisso!

A falta de desejo sexual pode ter várias causas. Se você passa por isso, vá em busca de ajuda!

Esse blog é essencialmente feminino. Aqui é nosso espaço e não temos meias palavras, quando o tema se refere à qualidade de vida da mulher. Pensando nisso, o assunto do post de hoje é libido e o motivo de tocarmos nesse assunto é que todo mundo fala que a mulher pode fingir muito bem o orgasmo e disfarçar perfeitamente a falta de libido. Esse atributo, tido como positivo até mesmo pelas próprias mulheres é, na opinião desta blogueira, uma grande falácia. Sabe por quê?

A libido feminina é muito, mas muito influenciada mesmo e até afetada por problemas fisiológicos ou psicológicos. Se você tem um parceiro e não consegue sentir o desejo que sentia antes e precisa fingir, já pensou que a causa disso pode e deve ser investigada? Então, nem sinta orgulho de conseguir fingir bem. Vá em busca de ajuda.

Felizmente, para muitas mulheres a falta de libido é apenas um fenômeno temporário. Algumas superam a situação sozinhas, mas muitas outras precisam de ajuda médica ou psicológica.

As possíveis causas físicas incluem:

- Anemia - muito comum nas mulheres, devido à perda de ferro durante a menstruação (e quando dão a luz).

- Injeções anticoncepcionais de progesterona - que podem criar um estado depressivo e reduzir a libido – inclusive alguns meses depois da aplicação.

- Alcoolismo

- Doenças como diabetes

- A perda do interesse sexual depois de dar à luz é muito comum, e ocorre provavelmente por causa das violentas mudanças hormonais desse período. Todo o esforço de dar à luz é somado ao esgotamento da chegada do recém-nascido.

- Medicamentos controlados - principalmente os tranquilizantes

- Hipertireoidismo - transtorno em que a glândula pituitária torna-se excessivamente ativa.

- A menopausa não é uma causa física da falta de desejo sexual. Pelo contrário, ela não provoca a falta de desejo. Muitas mulheres se sentem muito mais sensuais (e têm mais orgasmos) no período pós-menopausa de suas vidas.

As causas psicológicas são muito comuns. Quando uma mulher passa por um período emocional negativo é provável que perca o interesse pelo sexo.

As causas psicológicas incluem:

- Depressão

- Estresse

- Ansiedade

- Traumas da infância

- Ter sofrido abuso sexual ou estupro

- Desejo sexual por pessoas do mesmo sexo reprimido

- Problemas sérios com o parceiro

Condições de vida complicadas (por exemplo, dividir a casa com a própria família ou com a do marido).

Tratamentos - A melhor forma de começar o tratamento é procurar um médico de confiança, que vai discutir o problema com você e pedir os exames necessários. Há ginecologistas, hoje em dia, que são especializadas em sexualidade e isso pode facilitar na abordagem do assunto. Uma boa alternativa é procurar uma clínica feminina ou de planejamento familiar, pois esses profissionais tratam de problemas parecidos todos os dias. Você precisa encontrar a razão do problema para poder resolver a questão. Na dúvida, não finja… Discuta o problema com uma amiga em quem pode confiar e procure ajuda!