Métodos anticoncepcionais: descubra e escolha o melhor para você!

Há vários métodos contraceptivos e, a partir de agora, vamos desvendar os segredinhos de cada um deles. O objetivo é que você possa escolher o melhor, estimulando que você tire suas dúvidas com o ginecologista.

Você conhece a história da pílula anticoncepcional?

Desde os anos 60, quando foi inventada, ela tem sido companheira das mulheres. O contraceptivo oral contém hormônios que impedem a ovulação, essencial para que aconteça a gravidez.

Quando criado, o medicamento era cercado de polêmicas e mitos, alguns que ainda persistem.  Ainda bem que muita coisa mudou de lá para cá. Se antes as mulheres reclamavam que a pílula podia engordar, hoje as disponíveis no mercado têm dosagens diferentes de hormônios que se ajustam organismo de cada mulher.

 “Disse me disse” sobre a pílula anticoncepcional


Fonte: com informações do Hospital 9 de Julho

Matéria que relaciona fim da TPM e desempenho esportivo foi publicada em vários veículos em agosto

Por ocasião das Olimpíadas de Londres (realizada entre meados de julho e começo agosto de 2012), foi amplamente divulgada nos veículos de comunicação do Brasil uma matéria bem bacana que relaciona o fim dos sintomas da TPM ao bom desempenho nas competições.

De acordo com o texto, seja qual for a modalidade, atletas profissionais e mulheres que adotam a prática esportiva apenas para fugir do sedentarismo, têm algo em comum: todas precisam encarar a incômoda TPM, que afeta a disposição, a concentração e o desempenho esportivo.

Um dos principais desafios é fazer com que os efeitos indesejáveis não interfiram na vida profissional e pessoal. De acordo com o Dr. Luciano Pompei, da Faculdade de Medicina do ABC e membro da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), no período pré-menstrual, é comum aparecerem inchaços, especialmente nas mamas, abdômen, pernas e pés, o que pode causar um desconforto maior para quem pratica atletismo, modalidades com bola, saltos etc.

As variações de humor, comuns nesta fase, também podem comprometer o rendimento e a concentração das esportistas e interferir especialmente no convívio com outras atletas e técnicos. Dessa forma, a interrupção do ciclo é uma opção cada vez mais adotada por estas profissionais e seus médicos para garantir estabilidade emocional e física durante todo o mês. “A própria atividade física contribui para a prevenção parcial dos sintomas pré-menstruais, mas em casos de TPM severa, as esportistas podem lançar mão de anticoncepcionais de uso contínuo para que o trabalho não seja comprometido”, explica o médico.

Estudo inédito - Interromper a menstruarão é uma tendência verificada por um estudo inédito realizado recentemente com 1.100 médicos do Brasil. Segundo os dados, 93% dos ginecologistas disseram que já receberam pacientes no consultório interessadas em ingressar na contracepção contínua e que 94% dos especialistas já prescreveram a pílula anticoncepcional em regime contínuo, sendo 78% com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da mulher.

Além do bem-estar, o tratamento de algumas doenças ginecológicas, como a dismenorreia (menstruação dolorosa) e a endometriose, são os principais motivos para que o médico indique à sua paciente o método do anticoncepcional contínuo. Se tiver dúvida sobre contracepção contínua, pergunte ao seu ginecologista!

Para ler a matéria na íntegra, clique aqui