Retenção de líquidos: saiba como evitar o problema

 

retencao-liquido-entenda1A retenção de líquidos pode surgir em qualquer fase da vida, mas algumas mulheres costumam sentir o peso e inchaço característicos do problema todos os meses, durante o período menstrual. Se você ainda não é adepta de um método de contracepção contínua e sofre com os sintomas da TPM mensalmente, com certeza deve passar por isso. É muito comum ganhar até dois quilos durante a menstruação, devido a retenção hídrica. Abdômen, pés, mãos e face ficam inchados, resultando no aumento de peso.

Em geral, o inchaço desaparece sozinho, mas se o problema for persistente é preciso procurar um médico. É preciso estar atenta por que o edema, ou inchaço, também pode ser o sintoma de complicações de saúde, como problemas renais e circulatórios.

Confira o que pode causar a retenção de líquidos e como evitá-la:

Causam retenção de líquidos

- Oscilação hormonal

- Calor excessivo

- Sedentarismo

- Excesso de peso

- Baixa ingestão de líquidos

- Período pós-parto, pós-operatório e menstrual

- Alimentação: em excesso, embutidos, azeitonas e sal podem promover a retenção hídrica

Amenizam a retenção de líquidos

- Chás: os chás são diuréticos naturais e podem ajudar a amenizar os sintomas da retenção de líquidos. Gestantes devem consultar o médico, já que algumas ervas têm potencial abortivo

- Água, água de coco e sucos naturais: a ingestão inadequada de líquidos pode aumentar os riscos de formação de cálculos e retenção de substâncias que são eliminadas naturalmente pela via renal

- Drenagem linfática: a drenagem linfática é uma massagem que estimula manualmente o sistema linfático, ajuda a drenar o líquido retido e diminuindo os edemas

- Atividades físicas: a prática regular de atividades físicas é recomendada para a eliminar o líquido retido.

- Contracepção contínua: se você não menstrua mais, não passa pelos problemas da menstruação, incluindo a retenção de líquidos.

Tomar a pílula anticoncepcional requer disciplina para evitar problemas indesejados

10920937_765280650229608_1406083034581322747_nA pílula anticoncepcional é um poderoso medicamento que revolucionou a vida da mulher na nossa sociedade. Ela possibilitou que a decisão por engravidar fosse prerrogativa feminina, além de um melhor controle sobre o seu corpo. Atualmente, como a chamada contracepção contínua, a mulher pode ainda optar por deixar de menstruar, deixando de lado os incômodos sintomas da TPM. Grande avanço. No entanto, como qualquer medicamento, a pílula de uso oral requer disciplina para que provoque o efeito desejado. Ou melhor, para que não surjam problemas como uma gravidez indesejada.

Para evitar problemas como uma gravidez indesejada, é bom saber como tomar corretamente a pílula. Eis algumas dicas que podem te ajudar. Antes de mais nada, deixo registrado: se você usa a pílula anticoncepcional e não tem um parceiro fixo, use também o preservativo feminino ou masculino para se proteger da aids e outras DSTs.

Sem esquecimento - A pílula deve ser tomada diariamente, sem esquecimentos, preferencialmente sempre no mesmo horário. A primeira cápsula deve ser tomada no primeiro dia de sangramento menstrual. Algumas cartelas vêm com 21 e outras com 24 comprimidos, mas sempre se deve seguir o ciclo de 28 dias.

A exceção fica para o método de contracepção contínua, em que você não para de usar a pílula nunca. Se você tem dúvidas sobre esse método, fale com seu ginecologista!

Quando começar - Apesar de o uso da pílula anticoncepcional poder ser iniciado a qualquer momento, o mais recomendado é que se comece no primeiro dia do ciclo menstrual.

Início do efeito da pílula - Se você começar a tomar no primeiro dia do ciclo menstrual, e tomar corretamente de acordo com o indicado pelo médico, já estará protegida. Se começou no meio do ciclo, é necessário esperar o próximo ciclo para total proteção.

Horário correto para tomar - As pílulas anticoncepcionais devem ser tomadas no mesmo horário, pois o tempo de ação de cada pílula é de aproximadamente 24 horas. Tomar em horários irregulares não necessariamente tira o seu efeito, mas pode levar a um fenômeno comum conhecido como spotting ou sangramento de escape, e até mesmo irregularidades menstruais.

E se esquecer, o que fazer? - O ideal é que se tome a pílula em até 12 horas após o horário de costume. Se o esquecimento for no começo ou no final do ciclo, há risco de gravidez e o ideal é usar outros métodos contraceptivos. Se o esquecimento for de duas ou mais pílulas, o indicado é iniciar uma nova cartela.

Menstruação não limpa o organismo – Não se recomenda parada do uso do contraceptivo, exceto se houver desejo reprodutivo. Dar um descanso para o organismo é um conceito antigo! A menstruação é o resultado do funcionamento normal do organismo, mas existe muita confusão quando se trata da suspensão da menstruação por uso de contraceptivos. Neste caso, não ocorre acúmulo de sangue que, portanto, não precisa ser eliminado.

Cuidado com o que você toma junto - Alguns antibióticos, anticonvulsivantes, retrovirais, antidepressivos e até mesmo inocentes fitoterápicos, como a erva de São João, podem interferir na eficácia da pílula. Por isso é indispensável consultar um médico antes de utilizar qualquer medicamento.

Pesquisa comprova que ginecologistas indicam a contracepção contínua para suspender a menstruação

Meninas, tudo bem? Todas vocês sabem que este blog defende a suspensão da menstruação como forma de proporcionar vários benefícios à mulher moderna, não é mesmo? A minha intenção é divulgar que é muito simples diminuir ou quase extinguir os sintomas da TPM, as cólicas, dores de cabeça, variações de humor entre outros problemas que afetam grande parte das amigas todo santo mês. Quero ajudar, inclusive, a desfazer a ideia de que não menstruar seja algo “antinatural ou coisa do tipo”.

Dessa forma, toda vez que surgirem novas pesquisas científicas que reforcem essa ideia, vou divulgar por aqui. É exatamente esse o caso: acabou de ser divulgada uma pesquisa que mostra que 94% dos ginecologistas recomendam a suspensão da menstruação.

Esse é o resultado de um estudo nacional e foi realizado com 1.100 ginecologistas, com a participação do presidente da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), Nilson Roberto de Melo. O mais legal é que os 94% dos entrevistados recomendaram o método de contracepção contínua via oral como especial para suspender a menstruação.

De acordo com os especialistas, o método é o mais recomendado atualmente pois elimina os desconfortos como TPM, inchaço, dores e cólicas, fatores que comprometem a qualidade de vida da mulher, além de prevenir a dismenorreia (menstruação dolorosa) e a endometriose.

A pesquisa mostrou ainda que 93% dos médicos recebem frequentemente pacientes interessadas em ingressar na contracepção contínua. E você, já teve dúvidas sobre isso? Acha que pode viver melhor sem menstruar? Pergunte ao seu ginecologista, pois sua qualidade de vida pode melhorar muito. Falo isso porque a minha melhorou!

A pesquisa também foi comentada na radio CBN, em uma entrevista com Luciano Pompei, professor afiliado da Faculdade de Medicina do ABC e doutor em medicina pela Faculdade de Medicina da USP. Vale a pena ouvir, aqui!

Contraceptivo de uso contínuo previne doenças e proporciona uma vida mais longa

Duas notícias provenientes de estudos científicos dão uma boa ideia de que, além de não fazer mal ao organismo feminino, a pílula anticoncepcional traz benefícios à saúde até mesmo para quem não mantém relações sexuais. Além disso, está comprovado que quem toma a pílula pode ter uma vida mais longa com menos problemas de saúde. Vamos aos fatos!

O primeiro artigo foi publicado na respeitada revista científica The Lancet e sugere que as freiras católicas são prejudicadas pelo voto de castidade e recomenda, inclusive, que elas passem a tomar a pílula anticoncepcional.

Os autores, especialistas de duas universidades australianas (Monash University e University of Melbourne) disseram que, por não terem filhos, as religiosas estão mais sujeitas a sofrer de cânceres do sistema reprodutivo como o de mama, de ovário e útero. O risco maior resulta do fato de que as mulheres que não têm filhos e não amamentam, menstruam mais vezes e, portanto, são mais propensas a desenvolver esses cânceres.

Concluindo o artigo, os especialistas disseram ainda que se a Igreja Católica tornasse a pílula disponível para todas as suas freiras, isso reduziria os riscos de cânceres de ovário e útero entre elas.

Viver mais com menos problemas de saúde – Outro estudo (citado inclusive pelos pesquisadores australianos) publicado no British Medical Journal mostrou que mulheres do Reino Unido que fizeram uso de anticoncepcionais orais são menos propensas a morrer de qualquer causa, incluindo todos os cânceres e doenças cardíacas, em comparação com as não usuárias do medicamento.

Os resultados são parte de uma pesquisa da Universidade de Aberdeen, na Escócia, que acompanhou 46 mil mulheres por quase 40 anos e é hoje um dos maiores estudos já feitos sobre os efeitos dos contraceptivos orais na saúde feminina. Os dados recolhidos e analisados mostraram que, no longo prazo, as mulheres que usaram contraceptivos orais tiveram uma taxa significativamente menor (12%) de morte por causas variadas. Os estudos concluíram também que riscos de câncer de ovário e do útero foram reduzidos entre 50% e 60% em usuárias em comparação com não usuárias da pílula.

É bom lembrar que há diferenças entre as que tomaram a primeira geração de pílulas e as que usam as formulações atuais e, também, os resultados dependem dos padrões de uso e dos tipos de doenças que acometem cada população.

Independência da Mulher passa pela liberdade de não menstruar

Vamos relembrar como o desenvolvimento dos anticoncepcionais está intimamente ligado ao processo de independência da mulher moderna? Desde o início da década de 1960, com a chegada da primeira pílula anticoncepcional no mercado, as mulheres ganharam cada vez mais independência, liberdade e poder, não só sobre próprio corpo, mas também em seu papel na sociedade.

Com a pílula, houve a chamada revolução sexual. Livres do risco de gravidez indesejada, as mulheres se libertaram de séculos de repressão sexual, e a sociedade passou a ver o sexo como algo natural e prazeroso, e não apenas como necessário para a procriação. Desde então, além de controlar o próprio corpo, a mulher passou a ter o controle em todos os aspectos da vida: trabalho, educação, lazer, relacionamentos…

Hoje a mulher tem mais liberdade, mas sua vida não é nada fácil, tendo que se desdobrar nos papéis de profissional, mãe, esposa, dona de casa… e ainda tendo que lidar com a velha inimiga TPM e os efeitos colaterais da menstruação, agravados pelas pressões e correrias da vida moderna. Mas se a TPM é o último obstáculo para a independência da mulher, a boa notícia é que esse obstáculo já pode ser superado, com o uso da contracepção contínua. Você não precisa ser dependente do ciclo menstrual, fale com seu ginecologista e saiba mais sobre este método.10259700_737454043012269_5892376978599268925_n

Pílula de uso contínuo: tire suas dúvidas sobre o sangramento!

Uma das principais dúvidas das leitoras do Viva Sem Menstruar, tanto do blog como da fan page, é sobre o sangramento de escape que ocorre em algumas mulheres que optam pela contracepção contínua. Afinal de contas, esse sangramento é normal, é uma menstruação, significa que a pílula não está sendo eficaz? Não se desespere! O ginecologista Dr. Achilles Cruz tira todas essas dúvidas agora:

Dúvida 1 – Mesmo tomando a pílula contínua eu posso menstruar?

Dr. Achilles - No regime de contracepção contínua não ocorre o sangramento mensal, uma vez que não há interrupção periódica do contraceptivo conforme ocorre com o uso de pílulas no regime tradicional com pausa. Entretanto, como em qualquer regime hormonal, pode ocorrer a presença de sangramento de escape.

Dúvida 2 – O que devo fazer se tiver sangramento durante o uso da pílula contínua?

Dr. Achilles - Em geral, o sangramento de escape é autolimitado, ou seja, tende a desaparecer espontaneamente. Portanto, continue o tratamento normalmente. Caso o sangramento persista, se torne intenso ou inconveniente, consulte o seu médico para orientá-la como proceder.

Dúvida 3 – O sangramento é um sinal de que a pílula não está funcionando adequadamente? 

Dr. Achilles - O sangramento não significa redução da eficácia da pílula. Portanto, no caso de sangramento continue o tratamento normalmente para assegurar a eficácia do método.

Se você tiver mais dúvidas sobre o assunto, acesse o site www.vivasemmenstruar.com.br e envie pela seção “Pergunte ao ginecologista”.

Pílula de uso contínuo não é qualquer uma: precisa ser testada e aprovada

A pílula anticoncepcional de uso contínuo deve ser do tipo combinada, monofásica e de baixa dose, ou seja, pílulas que apresentam baixa dose dos hormônios estrogênio e progestagênio em concentração constante durante todo o ciclo.

Trata-se da mesma formulação da maioria das pílulas de uso convencional, diferindo apenas no tipo de regime de administração. Entretanto, aconselha-se que sejam utilizadas no regime contínuo as pílulas que foram testadas e aprovadas para uso específico neste regime contraceptivo.

Efeitos colaterais são diferentes? – Não. Os efeitos colaterais associados ao regime de contracepção contínua são similares aos observados nas usuárias de pílulas com pausa. O sangramento irregular é o efeito colateral mais comum. Em alguns casos, a menstruação não chega a ser totalmente suspensa e as mulheres podem apresentar sangramento irregular do tipo spotting (mancha menstrual) ou sangramento de escape. Este efeito é observado, principalmente, nos primeiros meses de uso do regime contínuo e tende a melhorar com a continuidade do tratamento.

Na dúvida, procure sempre seu ginecologista e tire todas as suas dúvidas! 

Quinoa: quatro benefícios para a saúde e a boa forma

Alimentos funcionais possuem múltiplos benefícios para a saúde e a boa forma. A quinoa está na lista daqueles que devem fazer parte da sua rotina desde já. E ela é menos calórica do que parece.

A quinoa possui cerca de 330 calorias em 110 g, quantidade similar ao arroz. Se você substituir o grão pelo outro, em algumas refeições, poderá aproveitar o que este alimento tem de melhor. Confira motivos para incluir o alimento na sua rotina. 

post3

Andar de bicicleta emagrece, controla a ansiedade e traz outros 5 benefícios

Andar de bicicleta, além de trazer uma sensação indescritível de liberdade, traz benefícios para o corpo. São sete privilégios os à saúde. Eles vão da proteção cardíaca à prevenção da ansiedade. O Viva Sem Menstruar lista no infográfico abaixo:

post_bicicleta

O uso do contraceptivo contínuo afeta a fertilidade?

Essa talvez seja a dúvida mais recorrente que aparece entre as leitoras do blog Viva Sem Menstruar. O contraceptivo usado de modo contínuo não tem qualquer relação com a infertilidade. Agora, vamos saber os detalhes?

Há estudos que compararam o retorno à fertilidade em mulheres que utilizaram pílulas em regime contínuo e regime com pausa. Eles demonstraram que a taxa de gravidez após a suspensão do tratamento é semelhante nos dois regimes.

Além da fertilidade não ser afetada, a sua menstruação também voltará ao normal, fique sossegada! De acordo com os especialistas, o retorno às menstruações é rapidamente restabelecido após a suspensão do tratamento contraceptivo em regime contínuo. Não existem evidências de que o restabelecimento da função ovariana e, portanto, da menstruação seja prejudicado com o uso contínuo da pílula.

Ainda tem dúvidas? Sim, todas nós temos, afinal de contas, parar de menstruar é uma mudança de paradigma. Estamos todas acostumadas a achar que menstruar é normal e qualquer coisa que signifique o fim dos sangramentos mensais e dos sintomas da TPM (tensão pré-menstrual) que os acompanham sejam “antinaturais”. Pura bobagem baseada em senso comum. Mas tomar pílula de modo contínuo pode trazer efeitos colaterais?

Os estudos indicam que os efeitos colaterais relacionados ao regime de contracepção contínua são similares aos observados nas usuárias de pílulas com pausa. O sangramento irregular é o efeito colateral mais comum. Este efeito é observado, principalmente, nos primeiros meses de uso do regime contínuo e tende a melhorar com a continuidade do tratamento.

Lembre-se: sangramento nunca mais! No regime de contracepção contínua não ocorre o sangramento mensal, uma vez que não há interrupção periódica do contraceptivo conforme ocorre com o uso de pílulas no regime tradicional com pausa. Entretanto, como em qualquer regime hormonal, pode ocorrer a presença de sangramento irregular. Bem, agora que mais dúvidas estão sanadas, procure seu ginecologista e pergunte a ele se a contracepção contínua pode ser para você!