Drauzio Varella entrevista médico que é favorável ao uso contínuo da pílula

O famoso médico Drauzio Varella, responsável pelas séries sobre saúde e qualidade de vida no programa Fantástico da TV Globo, também possui um site com equipe especializada em matérias de interesse da população.

Para quem quer saber mais sobre a história da pílula anticoncepcional, desde o seu surgimento, em 1960, as mudanças que ela provocou no comportamento das mulheres e na própria sociedade, até os dias atuais, em que o medicamento é usado de forma ininterrupta para cessar a menstruação e combater os efeitos indesejáveis da TPM, o Viva Sem Menstruar reproduz alguns trechos mais importantes, abaixo:

O entrevistado é o médico Dr. José Mendes Aldrigh, professor de Ginecologia do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Confira:

- A primeira pílula anticoncepcional, Enovid-R, lançada no mercado em 1960, foi descoberta por acaso. Os pesquisadores queriam descobrir um caminho para combater a esterilidade feminina e chegaram a uma fórmula com ação contraceptiva.

- Esse achado foi de extrema importância para o sucesso da Revolução Sexual, que pôs fim a séculos de repressão, sobretudo para as mulheres, e alterou padrões de comportamento, visão de mundo e estilo de vida dos dois gêneros.

- As primeiras pílulas lançadas no mercado continham altas doses de estrogênio e provocavam efeitos colaterais indesejáveis, como aumento de peso, distúrbios vasculares e dor nas mamas.

- A redução desse hormônio e do progestogênio nas fórmulas mais modernas reduziu significativamente a ocorrência dos efeitos indesejáveis. Entretanto, seu uso é contraindicado após os 35 anos para as mulheres que fumam, porque aumenta o risco de acidentes cardiovasculares.

- O grande benefício que a pílula representou na vida das mulheres foi a condição de exercer sua sexualidade sem o ônus da gravidez, risco sempre presente antes da década de 1960.

- O medo de que o uso ininterrupto e prolongado da pílula pudesse transformar-se num problema clínico mostrou-se improcedente. Na verdade, acontece o contrário. As pausas fazem com que o organismo esteja em constante processo de adaptação.

Para ler a entrevista na íntegra e saber mais sobre a história da pílula, basta clicar aqui.

Fonte: drauziovarella.com.br