Tomar a pílula anticoncepcional requer disciplina para evitar problemas indesejados

10920937_765280650229608_1406083034581322747_nA pílula anticoncepcional é um poderoso medicamento que revolucionou a vida da mulher na nossa sociedade. Ela possibilitou que a decisão por engravidar fosse prerrogativa feminina, além de um melhor controle sobre o seu corpo. Atualmente, como a chamada contracepção contínua, a mulher pode ainda optar por deixar de menstruar, deixando de lado os incômodos sintomas da TPM. Grande avanço. No entanto, como qualquer medicamento, a pílula de uso oral requer disciplina para que provoque o efeito desejado. Ou melhor, para que não surjam problemas como uma gravidez indesejada.

Para evitar problemas como uma gravidez indesejada, é bom saber como tomar corretamente a pílula. Eis algumas dicas que podem te ajudar. Antes de mais nada, deixo registrado: se você usa a pílula anticoncepcional e não tem um parceiro fixo, use também o preservativo feminino ou masculino para se proteger da aids e outras DSTs.

Sem esquecimento - A pílula deve ser tomada diariamente, sem esquecimentos, preferencialmente sempre no mesmo horário. A primeira cápsula deve ser tomada no primeiro dia de sangramento menstrual. Algumas cartelas vêm com 21 e outras com 24 comprimidos, mas sempre se deve seguir o ciclo de 28 dias.

A exceção fica para o método de contracepção contínua, em que você não para de usar a pílula nunca. Se você tem dúvidas sobre esse método, fale com seu ginecologista!

Quando começar - Apesar de o uso da pílula anticoncepcional poder ser iniciado a qualquer momento, o mais recomendado é que se comece no primeiro dia do ciclo menstrual.

Início do efeito da pílula - Se você começar a tomar no primeiro dia do ciclo menstrual, e tomar corretamente de acordo com o indicado pelo médico, já estará protegida. Se começou no meio do ciclo, é necessário esperar o próximo ciclo para total proteção.

Horário correto para tomar - As pílulas anticoncepcionais devem ser tomadas no mesmo horário, pois o tempo de ação de cada pílula é de aproximadamente 24 horas. Tomar em horários irregulares não necessariamente tira o seu efeito, mas pode levar a um fenômeno comum conhecido como spotting ou sangramento de escape, e até mesmo irregularidades menstruais.

E se esquecer, o que fazer? - O ideal é que se tome a pílula em até 12 horas após o horário de costume. Se o esquecimento for no começo ou no final do ciclo, há risco de gravidez e o ideal é usar outros métodos contraceptivos. Se o esquecimento for de duas ou mais pílulas, o indicado é iniciar uma nova cartela.

Menstruação não limpa o organismo – Não se recomenda parada do uso do contraceptivo, exceto se houver desejo reprodutivo. Dar um descanso para o organismo é um conceito antigo! A menstruação é o resultado do funcionamento normal do organismo, mas existe muita confusão quando se trata da suspensão da menstruação por uso de contraceptivos. Neste caso, não ocorre acúmulo de sangue que, portanto, não precisa ser eliminado.

Cuidado com o que você toma junto - Alguns antibióticos, anticonvulsivantes, retrovirais, antidepressivos e até mesmo inocentes fitoterápicos, como a erva de São João, podem interferir na eficácia da pílula. Por isso é indispensável consultar um médico antes de utilizar qualquer medicamento.

Contraceptivo de uso contínuo previne doenças e proporciona uma vida mais longa

Duas notícias provenientes de estudos científicos dão uma boa ideia de que, além de não fazer mal ao organismo feminino, a pílula anticoncepcional traz benefícios à saúde até mesmo para quem não mantém relações sexuais. Além disso, está comprovado que quem toma a pílula pode ter uma vida mais longa com menos problemas de saúde. Vamos aos fatos!

O primeiro artigo foi publicado na respeitada revista científica The Lancet e sugere que as freiras católicas são prejudicadas pelo voto de castidade e recomenda, inclusive, que elas passem a tomar a pílula anticoncepcional.

Os autores, especialistas de duas universidades australianas (Monash University e University of Melbourne) disseram que, por não terem filhos, as religiosas estão mais sujeitas a sofrer de cânceres do sistema reprodutivo como o de mama, de ovário e útero. O risco maior resulta do fato de que as mulheres que não têm filhos e não amamentam, menstruam mais vezes e, portanto, são mais propensas a desenvolver esses cânceres.

Concluindo o artigo, os especialistas disseram ainda que se a Igreja Católica tornasse a pílula disponível para todas as suas freiras, isso reduziria os riscos de cânceres de ovário e útero entre elas.

Viver mais com menos problemas de saúde – Outro estudo (citado inclusive pelos pesquisadores australianos) publicado no British Medical Journal mostrou que mulheres do Reino Unido que fizeram uso de anticoncepcionais orais são menos propensas a morrer de qualquer causa, incluindo todos os cânceres e doenças cardíacas, em comparação com as não usuárias do medicamento.

Os resultados são parte de uma pesquisa da Universidade de Aberdeen, na Escócia, que acompanhou 46 mil mulheres por quase 40 anos e é hoje um dos maiores estudos já feitos sobre os efeitos dos contraceptivos orais na saúde feminina. Os dados recolhidos e analisados mostraram que, no longo prazo, as mulheres que usaram contraceptivos orais tiveram uma taxa significativamente menor (12%) de morte por causas variadas. Os estudos concluíram também que riscos de câncer de ovário e do útero foram reduzidos entre 50% e 60% em usuárias em comparação com não usuárias da pílula.

É bom lembrar que há diferenças entre as que tomaram a primeira geração de pílulas e as que usam as formulações atuais e, também, os resultados dependem dos padrões de uso e dos tipos de doenças que acometem cada população.

Queda de cabelo feminina pode ser um aviso de uma vida estressante e de hábitos inadequados. Mude enquanto é tempo!

d729a-Queda-de-Cabelo

Nada pior do que tomar aquele belo banho, lavar os cabelos e descobrir chumaços de cabelo no ralo do banheiro… Apesar de ser um problema menos frequente em mulheres, a queda de cabelo pode gerar consequências desagradáveis e até afetar a autoestima. Mas cuidado: se ela aparecer, a causa pode ser genética mas também pode ser um alerta de que você está passando por um estresse exagerado somado a hábitos de vida inadequados.

Pesquisando sobre as causas da queda de cabelo feminina esses dias, descobri uma pesquisa recente que mostra que estresse, tabagismo e consumo excessivo de álcool são os três fatores mais associados à calvície feminina, exatamente nesta ordem.

Um estudo feito com 84 gêmeas idênticas – o que deixa de fora a contribuição genética para as falhas no couro cabeludo – comprovou que entre as divorciadas e viúvas o problema capilar é 16 vezes maior do que entre as casadas.

Muito mais do que o estado civil é o estresse típico destas duas situações que explica a maior vulnerabilidade. A neurologia já nos mostrou que as situações estressantes alteram nossas células. O corpo todo sofre e os pelos também, já que ficam mais fracos e caem mais nestes períodos.

Outro ponto é que o estresse, quase sempre, vem acompanhado de má alimentação. Ou a pessoa passa a não comer ou prioriza os alimentos gordurosos. Este padrão alimentar errado também influencia no couro cabeludo, favorecendo a queda acentuada.

O tabagismo e o consumo de álcool em exagero influem na queda capilar das mulheres também por alterarem o padrão celular humano. No estudo, as fumantes apresentaram falhas na região frontal da cabeça seis vezes superior do que as que não fumavam. A ingestão de quatro ou mais doses de álcool nas ocasiões em que decidem beber também resultou em mais problemas capilares.

Como foi a análise - A pesquisa foi apresentada em reunião da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica e realizada por médicos da Universidade de Cleveland, em Ohio (EUA). Para chegar às conclusões, eles selecionaram as gêmeas – com idade média de 53 anos – e analisaram a saliva das participantes, em busca de marcadores genéticos da calvície e níveis de testosterona (a falta deste hormônio predispõe à queda de cabelo). Além disso, por meio de programas de computador, eles avaliaram o couro cabeludo das mulheres, medindo as falhas capilares.

Segundo os especialistas, a queda de cabelo pode ser passageira, em especial quando os influenciadores são os hábitos de risco apontados na pesquisa. O problema é que o mapeamento feito pelo Ministério da Saúde mostra que a população feminina está muito próxima destes três vilões da saúde capilar.

A taxa de tabagistas entre 45 e 54 anos – fase em que a composição hormonal já muda e favorece a queda dos fios – é de 16%, a maior entre o público feminino. Na mesma idade, uma em dez é considerada bebedora de risco. Além disso, mais da metade, 54%, são estressadas como evidenciou pesquisa do Hospital do Coração (HCor).

Ao perceber a queda excessiva de cabelo, avalie como está a sua vida: está passando por situações muito estressantes? Com está sua alimentação: come muitos alimentos gordurosos e pouca verdura, legumes, frutas e fibras? É fumante e bebe mais do que socialmente? Reavalie e mude seus hábitos para ter o cabelo sempre saudável. E se não conseguir sozinha, procure a ajuda de um profissional especializado.

Atividade física é garantia de boa disposição

atividade-física

Um dos principais sintomas da menstruação é a falta de disposição para encarar a maratona de atividades do dia a dia da mulher moderna. Só de pensar naquele monte de coisa para fazer, bate o desânimo. E você já deve ter ouvido falar que a prática de atividade física é essencial para a boa saúde, mas dá preguiça só de pensar em academia…

A verdade é que quanto mais sedentária você for, maior é a indisposição. O descanso e o sono são essenciais, mas o gasto de energia e a liberação de substâncias como a endorfina e a adrenalina durante o exercício físico é fundamental para acordar sempre bem-disposta. E se você não tem tempo para fazer uma atividade física regular, na academia ou no parque, com a orientação de um personal trainer, ainda assim dá pra gastar a energia em atividades cotidianas.

Que tal, por exemplo, deixar o carro na garagem e ir caminhando, ou de bicicleta, até o trabalho? E chegando em casa, dispensar o elevador e usar a escada? No metrô, ou no shopping, dispensar a escada rolante? E varrer e limpar a casa também gasta boas calorias! Claro que o ideal é realizar uma atividade física regularmente, de preferencia as aeróbicas, que gastam mais energia, como corrida, natação, ciclismo e jogos com bola. Neste caso, o mais importante é fazer o exercício que você gosta e se sente bem praticando. O negócio é se mexer!

Fatores que influenciam na TPM são motivos para não menstruar

11079655_809474739143532_971078508075163864_nA Tensão Pré-Menstrual existe desde o início da civilização, mas foi somente no século 20, com a entrada em massa das mulheres no mercado de trabalho, que a TPM foi reconhecida como um problema grave que prejudica a qualidade de vida de milhões de mulheres. Os mecanismos fisiológicos por trás da TPM ainda são um tanto obscuros, mas nos últimos anos muito se avançou nesse tema. Segundo a ginecologista Mara Diegoli, coordenadora do Centro de Apoio à mulher com TPM do Hospital das Clínicas de São Paulo, 30% das mulheres tem TPM moderada, e 5% a 8% apresentam sintomas intensos.

Para a ginecologista, são cinco os principais fatores que provocam a TPM, e a hereditariedade é o mais comum. Os outros são a queda na serotonina (substância produzida pelos neurônios que controla o humor), alterações hormonais, aumento nas prostaglandinas (substâncias que em excesso produzem dor e inchaço) e fatores externos, principalmente o stress. A boa notícia é que você não precisa mais sofrer com os sintomas da TPM intensa. As novas pílulas hormonais para não menstruar são opções acessíveis e na maioria dos casos, seguras. Se você não quer mais essa dor de cabeça na sua vida, fale com o seu ginecologista.

Pílula de uso contínuo não é qualquer uma: precisa ser testada e aprovada

A pílula anticoncepcional de uso contínuo deve ser do tipo combinada, monofásica e de baixa dose, ou seja, pílulas que apresentam baixa dose dos hormônios estrogênio e progestagênio em concentração constante durante todo o ciclo.

Trata-se da mesma formulação da maioria das pílulas de uso convencional, diferindo apenas no tipo de regime de administração. Entretanto, aconselha-se que sejam utilizadas no regime contínuo as pílulas que foram testadas e aprovadas para uso específico neste regime contraceptivo.

Efeitos colaterais são diferentes? – Não. Os efeitos colaterais associados ao regime de contracepção contínua são similares aos observados nas usuárias de pílulas com pausa. O sangramento irregular é o efeito colateral mais comum. Em alguns casos, a menstruação não chega a ser totalmente suspensa e as mulheres podem apresentar sangramento irregular do tipo spotting (mancha menstrual) ou sangramento de escape. Este efeito é observado, principalmente, nos primeiros meses de uso do regime contínuo e tende a melhorar com a continuidade do tratamento.

Na dúvida, procure sempre seu ginecologista e tire todas as suas dúvidas! 

Quinoa: quatro benefícios para a saúde e a boa forma

Alimentos funcionais possuem múltiplos benefícios para a saúde e a boa forma. A quinoa está na lista daqueles que devem fazer parte da sua rotina desde já. E ela é menos calórica do que parece.

A quinoa possui cerca de 330 calorias em 110 g, quantidade similar ao arroz. Se você substituir o grão pelo outro, em algumas refeições, poderá aproveitar o que este alimento tem de melhor. Confira motivos para incluir o alimento na sua rotina. 

post3

Andar de bicicleta emagrece, controla a ansiedade e traz outros 5 benefícios

Andar de bicicleta, além de trazer uma sensação indescritível de liberdade, traz benefícios para o corpo. São sete privilégios os à saúde. Eles vão da proteção cardíaca à prevenção da ansiedade. O Viva Sem Menstruar lista no infográfico abaixo:

post_bicicleta

Atividade física é garantia de boa disposição

Um dos principais sintomas da menstruação é a falta de disposição para encarar a maratona de atividades do dia a dia da mulher moderna. Só de pensar naquele monte de coisa para fazer, bate o desânimo. E você já deve ter ouvido falar que a prática de atividades físicas é essencial para a boa saúde, mas dá preguiça só de pensar em academia…

A verdade é que quanto mais sedentária você for, maior é a indisposição. O descanso e o sono são essenciais, mas o gasto de energia e a liberação de substâncias como a endorfina e a adrenalina durante o exercício físico é fundamental para acordar sempre bem-disposta. E se você não tem tempo para fazer uma atividade física regular, na academia ou no parque, com a orientação de um personal trainer, ainda assim dá pra gastar a energia em atividades cotidianas.

Que tal, por exemplo, deixar o carro na garagem e ir caminhando, ou de bicicleta, até o trabalho? E chegando em casa, dispensar o elevador e usar a escada? No metrô, ou no shopping, dispensar a escada rolante? E varrer e limpar a casa também gasta boas calorias! Claro que o ideal é realizar uma atividade física regularmente, de preferencia as aeróbicas, que gastam mais energia, como corrida, natação, ciclismo e jogos com bola. Neste caso, o mais importante é fazer o exercício que você gosta e se sente bem praticando. O negócio é se mexer!